Habemus Mestre!

Exatamente uma semana atrás eu estava defendendo minha dissertação de mestrado. No começo, aquele nervosismo inicial inevitável, mas com a Graça de Deus, tudo correu tranquilo 😀

Nem sei como descrever o quão gratificante é atingir um objetivo como esse. Agradeço a todos os meus amigos que me ajudaram na implementação, testando e encontrando bugs, e especialmente ao Markos Freitas. Cara, você foi parte fundamental nesse trabalho 😉

Mas a pesquisa não para por aqui, tem o doutorado inteiro pela frente e espero encara-lo de forma ainda mais responsável do que fiz nesse mestrado e procurar fazer um trabalho ainda melhor.

Habemus Mestre 😀

abraços a todos

Diário de bordo

No momento estou lendo uma tese de mestrado intitulada Malhas Adaptativas em Domínios Definidos por Fronteiras Curvas, cujo tema é bem próximo ao da minha dissertação.

Título original Malhas adaptativas em domínios definidos por fronteiras curvas
Autor Machado, Luís Gustavo Pinheiro
Unidade Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC)
Área de concentração Ciências de Computação e Matemática Computacional
Orientador ¤ Nonato, Luis Gustavo
Banca Examinadora ¤ Castelo Filho, Antonio
¤ Nonato, Luis Gustavo
¤ Siqueira, Marcelo Ferreira
Data da Defesa 28/08/2007
Palavras-chave ¤ Delaunay
¤ Geometria computacional
¤ Geração de malhas
¤ Malhas adaptativas
¤ Refinamento
Resumo Original
Dois métodos distintos são descritos e implementados. O primeiro método, proposto por Ruppert, possui garantias teóricas de qualidade quando a fronteira do domínio obedece certas restrições. O segundo método, proposto por Persson, possibilita um maior controle na densidade dos elementos que discretizam o domínio. As vantagens, desvantagens e particularidades de cada um dos métodos são descritas e detalhadas

Diário de bordo

Bem, quando criei esse Blog, meu objetivo maior era que ele servisse como uma espécie de diário do mestrado. Sendo assim, é melhor começar:

Dia 29-04-2008:

Hoje choveu pra caralho!

fim.

Pré-proposta de mestrado

Minha pré-proposta de mestrado foi apresentada à banca na sexta-feira, dia 07/04/2008. Foi um dia bem fora do comum, primeiro por ser um momento ansiosamente esperado, o adiamento por quase um mês foi outro tempero para aumentar ainda mais a expectativa, segundo porque a Lei de Murphy resolveu agir caprichosamente nesse dia.

A semana já tinha começado bem conturbada, muito do texto ainda se encontrava no caderno e não havia sido digitado; para criar um clímax ainda mais tenso, fiquei sabendo na quarta-feira (dois dias antes da apresentação) que a formatação que eu estava utilizando era completamente errada. Continuei assim mesmo na ingênua certeza de que mudar a formatação seria um trabalho de no máximo um par de horas. Não poderia estar mais enganado. Foram quase dez horas mudando fontes, espaçamentos, reposicionamento de figuras, tabelas e etc. E quando parte já estava pronta, por um motivo qualquer, uma pequena mudança bagunçava todo o trabalho já feito. Não faz mal, momentos assim parecem me motivar mais do que o dia-a-dia comum 🙂

Bom, quinta-feira a noite, texto pronto, documento e apresentações ok, o que restava era só descansar e se preparar. Descansar? Que nada! E as cópias impressas? Teriam que ser entregues para a banca! Imprimi uma cópia em casa mesmo, uma pois a tinta da impressora acabou assim que a última página saiu. Que sorte, já tinha um exemplar em mãos então sexta-feira de manhã era só levantar cedo, ir ao Campus e fotocopiar mais dois. Antes de dormir porém liga meu amigo, Ricardo (sua apresentação foi logo após a minha), pedindo-me para imprimir seu documento, visto que ele não tinha como fazer isso e só poderia ir à UFC na hora da apresentação. “Claro tudo bem, sem problema” foi minha resposta.

Sexta de manhã, acordei cedinho, tomei aquele café e fui cumprir minhas tarefas. Bem, ai é onde a tal da Lei de Murphy, que já vinha metendo o dedo na minha vida a semana toda, resolveu exagerar na dose. Chuva, trânsito parado, tentando desviar do engarrafamento entrei numa via secundária e dei de cara com um caminhão cegonha enorme andando a uns 4 km/h bem no meio da pista. levei mais de uma hora pra chegar na UFC (normalmente levo uns 20 min). Fui correndo ao laboratório pedir a garota que trabalha lá para imprimir pra mim, mas o bloco estava sem energia. Então corri para o bloco da Matemática. Nossa, legal, lá tinha energia, tudo ia bem até o papel acabar. Mais correria, agora ao bloco da Física, restava imprimir e fotocopiar o documento do Ricardo. E a chuva aumentou, nesse minuto, no meio da chuva recebo uma mensagem do professor no celular que naquele momento, para mim, dizia algo como: “P**RA, CADÊ A M**Da DO DOCUMENTO?!”. Chegando na Física, começamos a imprimir o resto do documento do Ricardo e terminar de copiar os meus. Agora sim, tudo ia bem, a não ser até o momento em que acabou a tinta já quase no fim da impressão 😦

O que fazer numa hora daquelas? Pegar papel na Física e voltar para Matemática e terminar o serviço; mais correria, mais chuva, mais risco de molhar tudo o que já estava pronto. Na Matemática não aconteceu muita coisa a mais, consegui imprimir o resto do documento, e esperei só um pouquinho até a funcionária terminar de ajeitar a marteladas a máquina de xérox que estava mastigando todo o papel que se colocava lá 🙂

Documentos em mãos, entreguei-os aos professores da banca. Depois foi almoçar e dormir um pouco (no laboratório mesmo). Nada mais tinha como dar errado…

Nada? Ainda tinha a apresentação, e dessa vez aconteceu algo que realmente não poderia ter acontecido. As animações, que eram o ponto alto da apresentação, tornando-a mais didática e acessível a quem assistisse, simplesmente não funcionaram. E foi assim, um monte de slides estáticos e funcionando mal onde antes havia algo dinâmico e interativo. O que poderia fazer? Relaxar e… . Ainda bem que a banca parece ter gostado, reconheço as falhas e muito das críticas apontadas eu já estava ciente e disposto a corrigir na nova etapa que é a proposta.

Quem estiver interessado pode baixar o documento aqui.